Arquivo de Social Networks

Um Livro, Uma Causa… de Vida

A minha primeira acção na Mediterrakeo é uma boa acção. Trata-se da campanha de relançamento do livro “Percursos de Vida”, de José António Salcedo, que é um bom amigo, um cientista e empresário português de reconhecido mérito, nacional e internacional, mas acima de tudo uma pessoa com uma generosidade sem limites.

Este livro já devia estar esgotado faz agora 5 anos, só que há coisas neste país que nem o diabo entende! Particularmente na área da cultura — onde se esperaria algum cuidado no tratamento das obras publicadas — os comportamentos dos seus diversos agentes deixam muito a desejar. A edição de “Percursos de Vida” é disso um bom (mau) exemplo.

Conheci o António José Salcedo, há cerca de um ano, por acaso, no facebook — sinal dos tempos que vivemos.
Cedo me despertou nele a visão lúcida do real, o particular bom senso, a apurada sensibilidade artística, a participação activa na sociedade civil e o cuidado, diria académico, na comunicação com os outros. Tudo avaliações que evidenciam estar-se perante uma pessoa muito culta e de mente aberta, para além de extremamente humana e generosa. Daquelas que eu aprecio. Hoje, por isso tudo, somos amigos para além do espaço virtual.
Sem que ele tivesse feito qualquer alarde do facto, descobri que havia publicado um livro com fotografias e textos próprios, uns tempos antes. Vindo de quem vinha, fiquei curioso e procurei o livro. Nenhuma das minhas expectativas ficou gorada.
José António Salcedo, em tudo na vida, prima pela excelência e aqui não fez por menos: decidiu avançar para uma edição de luxo, assumindo todos os custos da obra. Recorreu ao saber dos artistas plásticos Susana Landolt Alves e Armando Alves para o design e as artes finais, à qualidade da Norprint para a impressão, e entregou a edição à Campo das Letras. Resultou daí um belíssimo álbum, tanto a nível estético como de conteúdo — fotografias e textos —, a fazer inveja à maioria das edições que se fazem em Portugal.
Aconteceu que, logo a seguir, a Campo das Letras entrou em colapso financeiro e a edição ficou anos ao abandono, fechada num armazém. Recentemente, o autor conseguiu recuperar os livros (cerca de 900 ex.) com a intenção de os colocar finalmente no mercado, uma vez que sempre deteve os direitos sobre a obra.
Confirmando ser a pessoa materialmente desinteressada que eu pressentira, decidiu vendê-los a um preço reduzido, doando todo o montante que vier a receber a uma instituição social de âmbito nacional, a A.A.P.C. (Associação Apoio a Pessoas com Cancro), com sede na Senhora da Hora, Matosinhos, precisamente a freguesia onde nasceu.

Num almoço que tivemos, entretanto, o assunto veio à baila e eu propus-lhe ajudá-lo na promoção deste relançamento. Conversei com o José Carlos Soares — na altura a transformar a Mediterrakeo num colectivo — e juntos avançámos para a empreitada.
Começámos por criar uma página na web com toda a informação sobre o livro e agora estamos a dar início à distribuição da obra.
O nosso intuito é criar um movimento à volta deste relançamento, utilizando todos os meios e recursos de que dispomos (newsletters, websites, blogs, redes sociais, etc.) e levar as pessoas a conhecerem a obra e a causa associada.
Decidimos fazê-lo por venda directa, com envio à cobrança — obtendo assim um maior montante para a A.A.P.C. —, mas se houver alguma entidade interessada em comercializá-lo, poderão encomendá-lo também.

Para saberem tudo sobre o livro e concretizarem a encomenda, visitem o website que construímos:
percursosdevida.wordpress.com






Desvendamento

No perfil que construímos, no auto-retrato que fazemos, revelamos, sem dar conta, muito mais do que pretendemos e desejamos.

As “Gajas” Dominam A Net!

Numa das minhas recentes deambulações pela web, deparei com um site muito interessante de um designer inglês de nome David McCandless, cuja especialidade é visualizar informação, criando gráficos a partir de dados estatísticos fornecidos por entidades oficiais.
Os gráficos, todos esteticamente muito atraentes, abordam temas tão diversos como o grau de segurança comparado da vacina para o HPV, as propriedades cruzadas das diferentes drogas do mercado, ou o número de tropas por país presentes no Afeganistão. Mas aquele que me chamou de imediato a atenção foi um, intitulado “Chicks Rule”, que representa a frequência de visitas, distribuída por sexo, em cada um dos sites das redes sociais mais populares da Web 2.0.

Eu confesso que pasmei ao olhar para o quadro! Tinha a percepção, sim, de que havia algumas redes que eram frequentadas maioritariamente por mulheres – não imaginei é que fossem tantas e com uma presença tão avassaladora.
Sabido que estes sites são praticamente todos criados por homens, será que na sua génese estará a intenção maquiavélica de ocupar as mulheres com este género de virtualidade, mantendo-as em casa, enquanto os homens andam tranquilamente na rua a gozar a realidade?
Sem me querer alargar em demasia na análise destes dados, tenho, todavia, a ideia de que, apesar de serem mais as mulheres a frequentar estes sites, os principais assuntos aí abordados serem ainda maioritariamente masculinos ou relacionados com homens. Também me parece evidente que nesses novos matriarcados as principais personalidades e opinion makers aí seguidos – aqueles que têm mais comentários ou cujos perfis têm mais pessoas adicionadas – são, na sua esmagadora maioria, do sexo masculino. Pelo que… não sei se as chicks dominam tanto quanto isso!
Girls, venham daí esses comentários!
Seria interessante tentar perceber-se duas coisas, em particular:
1) A que se poderá dever esta maior presença feminina nas redes sociais?
2) Essa hegemonia feminina tem uma equivalência no domínio dos assuntos dessas mesmas redes?
(o desafio é extensivo a todos os sexos, como é óbvio!)



NOTA: Para quem desconhece, o Digg é uma rede norte-americana de posts de links com novidades, na sua maioria relacionadas com gadgets, vídeos e assuntos mais trendy do universo jovem masculino.
O Bebo, popular nos países de expressão inglesa, não difere muito das outras networks sociais, ainda que tenha um especial acento na prática da revelação dos aspectos mais frívolos da vida de cada um.

[ver quadro com maior resolução]

Desorientação

Quem não sabe onde pôr os pés, dificilmente saberá onde pôr as mãos!