Arquivo de Manipulação

Sócrates e Portas ou A Hiena e O Abutre

Desenganem-se os que ingenuamente pensam que o namoro de José Sócrates e Paulo Portas é fruto de circunstâncias criadas por acaso.
Há cerca de meio ano, quando ainda não se preparavam as campanhas para a tripla série de eleições, avancei com a convicção de que havia uma aliança estratégica bem urdida entre José Sócrates e Paulo Portas com o fim primeiro de aniquilarem o PPD/PSD e de seguida repartirem a carcaça.
Comprovados mestres nas práticas da necrofagia, ambos viam na frágil condição do adversário uma oportunidade única para usurparem o espaço que em condições normais lhes estaria sempre vedado. A combinação de esforços parecia infalível e os proveitos já eram dados como garantidos. O PS asseguraria a manutenção do poder por longos anos e o CDS poderia assumir-se finalmente como o grande partido da ala conservadora.
O primeiro sufrágio, porém, gelou-lhes o sangue, por uma vez quente, e com isso os movimentos. O segundo acto eleitoral veio confundir mais a estratégia, pois se, à direita, Portas cumpria a sua parte, e se encontrava pronto, de unhas afiadas, para desferir o golpe tão desejado, já Sócrates, com o crescimento inesperado do Bloco de Esquerda, via parcialmente abaladas as suas hipóteses de hegemonia ao ter que dividir a atenção entre um assalto ao centro-direita e a cobertura na ala esquerda.
Ultrapassada esta ameaça depois do desaire do Bloco no terceiro capítulo eleitoral, e confirmado o definhamento do PPD/PSD, a estratégia inicial volta a ganhar forma e só não vê quem não quer o que se adivinha no futuro próximo.
Será coincidência inocente serem precisamente estes os dois únicos líderes partidários a terem sobre eles suspeições de abuso de poder e favorecimento político enquanto detentores de cargos de governação?

As “Gajas” Dominam A Net!

Numa das minhas recentes deambulações pela web, deparei com um site muito interessante de um designer inglês de nome David McCandless, cuja especialidade é visualizar informação, criando gráficos a partir de dados estatísticos fornecidos por entidades oficiais.
Os gráficos, todos esteticamente muito atraentes, abordam temas tão diversos como o grau de segurança comparado da vacina para o HPV, as propriedades cruzadas das diferentes drogas do mercado, ou o número de tropas por país presentes no Afeganistão. Mas aquele que me chamou de imediato a atenção foi um, intitulado “Chicks Rule”, que representa a frequência de visitas, distribuída por sexo, em cada um dos sites das redes sociais mais populares da Web 2.0.

Eu confesso que pasmei ao olhar para o quadro! Tinha a percepção, sim, de que havia algumas redes que eram frequentadas maioritariamente por mulheres – não imaginei é que fossem tantas e com uma presença tão avassaladora.
Sabido que estes sites são praticamente todos criados por homens, será que na sua génese estará a intenção maquiavélica de ocupar as mulheres com este género de virtualidade, mantendo-as em casa, enquanto os homens andam tranquilamente na rua a gozar a realidade?
Sem me querer alargar em demasia na análise destes dados, tenho, todavia, a ideia de que, apesar de serem mais as mulheres a frequentar estes sites, os principais assuntos aí abordados serem ainda maioritariamente masculinos ou relacionados com homens. Também me parece evidente que nesses novos matriarcados as principais personalidades e opinion makers aí seguidos – aqueles que têm mais comentários ou cujos perfis têm mais pessoas adicionadas – são, na sua esmagadora maioria, do sexo masculino. Pelo que… não sei se as chicks dominam tanto quanto isso!
Girls, venham daí esses comentários!
Seria interessante tentar perceber-se duas coisas, em particular:
1) A que se poderá dever esta maior presença feminina nas redes sociais?
2) Essa hegemonia feminina tem uma equivalência no domínio dos assuntos dessas mesmas redes?
(o desafio é extensivo a todos os sexos, como é óbvio!)



NOTA: Para quem desconhece, o Digg é uma rede norte-americana de posts de links com novidades, na sua maioria relacionadas com gadgets, vídeos e assuntos mais trendy do universo jovem masculino.
O Bebo, popular nos países de expressão inglesa, não difere muito das outras networks sociais, ainda que tenha um especial acento na prática da revelação dos aspectos mais frívolos da vida de cada um.

[ver quadro com maior resolução]

Manipulações

Este dom que algumas pessoas têm em iludir-nos permanentemente com histórias manipuladas, plenas de fé e esperança, devia levá-las ao cinema ou à literatura e não à gestão de um clube ou ao governo da nação!